Lives promovidas pela Assembleia Legislativa abordam papel das políticas públicas e inclusão social

Por Conexão Roraima 17/09/2021 - 19:22 hs

O evento é promovido pela Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) por meio do Programa de Direitos Humanos e Cidadania, presidido pela deputada Lenir Rodrigues (Cidadania). 

“São lives de debates, de conhecimentos específicos sobre a questão das deficiências. Queremos que a população aprenda, pois é o processo educativo da sociedade, por pessoas com expertise na área, que falam sobre esse tema tão esquecido na nossa sociedade”, disse a parlamentar ao falar sobre a importância do evento.

live do dia 21 terá como tema “Deficiência e o Papel das Políticas Públicas no Contexto Histórico”. A segunda vai abordar “O Esporte como Ferramenta de Inclusão Social”. Ambas serão mediadas por Jean Martins de Araújo, coordenador do Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência do Programa de Direitos Humanos e Cidadania da ALE-RR. “É um caminho extenso e não imediato, mas um processo a longo prazo. A gente já está andando, mas deveria estar mais adiantado como em outros estados”, disse Jean Martins, ao se referir às políticas públicas voltadas para a pessoa com deficiência.

Segundo ele, falta empatia das das autoridades constituídas e da população. “Quando nos sentamos com aqueles que fazem a política pública e falamos sobre o nosso direito, eles acreditam que é privilégio. Primeiro, temos que trabalhar a sensibilidade da sociedade e daqueles que têm o poder de mudar a vida das pessoas”, afirmou.

Jean Martins destacou que todos os setores da atividade humana precisam entender que a pessoa com deficiência é capaz. “O que precisamos são das ferramentas e da equiparação de direitos. Para isso, a sociedade precisa ter outro olhar sobre a política da pessoa com deficiência, ter empatia e ajudar”, enfatizou.

Programa

A diretora do Programa de Direitos Humanos e Cidadania, Socorro Santos, explicou que dentro do programa existem quatro centros que atuam diretamente com as pessoas em vulnerabilidade: de Promoção à Pessoa com Deficiência; de Incentivo à Mulher na Política; de Mulheres Indígenas; e o de Promoção ao Tráfico de Pessoas. “Durante este mês, teremos uma vasta programação voltada para o Centro de Promoção à Pessoa com Deficiência. O Centro de Incentivo à Mulher na Política tem como finalidade fazer com que a mulher perceba seu papel político-partidário e que, muitas vezes, ela já desenvolve essa habilidade dentro da comunidade e não se apercebe disso”, disse.

Conforme Socorro, o Centro de Mulheres Indígenas vai atuar nas comunidades, mas terá como foco principal a população indígena urbana para identificar quem a compõe, qual o perfil e como estão vivendo. 

Já o Centro de Promoção ao Tráfico de Pessoas abarca todas as modalidades em situação insalubre, segundo detalhou, acrescentando que existem ainda mais dois projetos a serem implementados, voltados para as fronteiras com a Venezuela e a República da Guiana. 

Para Jean Martins, o novo programa da Assembleia Legislativa é inovador porque agrega grupos minoritários em vulnerabilidade. “É uma nova roupagem essa criação do Centro da Pessoa com Deficiência. A gente quer trabalhar m cima dos direitos já garantidos, bem como ajudar a Casa Legislativa na promoção de políticas públicas e dar apoio ao deficiente que tem dificuldade para conseguir benefícios, além de fazer com que a Assembleia tenha mais contato com as pessoas com deficiência”, esclareceu.


Fonte: SupCom ALE-RR