Deputado afirma que Denarium governa para o setor mais rico e "de costas" para a população mais pobre

Por Conexão Roraima 07/04/2021 - 19:49 hs

O deputado Jeferson Alves (PTB) fez duras críticas às prioridades de gestão do governador Antonio Denarium (Sem Partido) durante sessão desta quarta-feira, 7, na Assembleia Legislativa de Roraima. De acordo com ele, apenas o setor mais rico do Estado recebe atenção do Poder Executivo, enquanto “vira as costas para as famílias mais pobres de Roraima”.

O parlamentar começou sua fala fazendo sugestões sobre a utilização do excesso de arrecadação de ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços), que atualmente fica em torno de R$15 milhões por mês. No entendimento dele, o Governo deveria utilizar esse recurso para criar uma "bolsa energia" para as famílias mais pobres ou contratar jovens para estágio remunerado com bolsas de R$600,00. Você, governador, que gosta de fazer cálculos, pega esses R$15 milhões, e divide por 600,00. Vai dar em torno de 25 mil jovens contratados. Nós vamos movimentar a economia, vai levar uma renda para a casa dessas pessoas e dará oportunidade para os nossos jovens que hoje estão à mercê da sua própria sorte. Já uma tarifa social de energia, no valor simbólico de 300,00, pode atender cerca de 50 mil famílias que hoje vivem em situação precária e difícil porque não têm como trabalhar”, sugeriu.

Para Jeferson, o Governo de Roraima prioriza o setor produtivo em detrimento do cidadão comum. “Se as pessoas não têm condições de trabalhar por conta desse vírus [Coronavírus], se tem que ficar em casa por ser do grupo de risco, perde a renda, a fome vai matar mais que isso [Covid-19]. O Governo não pode governar de mãos dadas com o setor mais rico e de costas para a população mais pobre”, criticou. 

Ainda de acordo com o parlamentar,  a atual gestão seria “um governo que não tem sensibilidade social, não tem cor, um governo não tem cheiro do povo, um governador que não sabe ainda acertar um time da sua administração porque é mal assessorado”. Um governo que não se comunica com a população porque falta assessoramento. Dinheiro para isso tem, excesso de arrecadação tem. Nós não podemos priorizar apenas um setor do estado. Ação social do Governo precisa funcionar de fato”, observou.

Por fim, o deputado Jeferson Alves criticou o Governo de Roraima por não ter avançado nas negociações para adquirir a vacina diretamente dos laboratórios internacionais de um imunizante contra a Covid-19. “Aprovamos, nesta Casa, uma lei que autoriza o governo a adquirir vacinas com compra direta para poder negociar com os laboratórios internacionais, assinando uma carta de intenção e até agora não evoluímos nada. Ainda estamos dependendo do repasse das vacinas do Ministério da Saúde e esse processo é lento porque o Governo Federal precisa atender todos os estados brasileiros e todas as cidades do país”.

GOVERNO

Em nota ao Portal Conexão Roraima, o governador Antonio Denarium negou que Roraima não tenha participado das negociações para compra de vacinas. De acordo com ele, o governo participa da Frente de Governadores do Norte “que busca por vacinas para a população” e os governadores estão unidos "para salvar vidas", independentemente de partido político e questões ideológicas”. 

Ainda, conforme a nota da Comunicação do Governo, a compra das vacinas contra a Covid-19 que o Fórum de Governadores pretende comprar diretamente com os laboratórios será um acréscimo “ao que está sendo comprado pelo Ministério da Saúde”. O problema é que hoje as vacinas estão em falta no mercado e por isso nos juntamos à Frente de Governadores para adquirir mais doses no menor tempo possível. Queremos que as pessoas possam voltar às condições normais de convívio, fortalecendo a saúde da nossa economia para gerar emprego, renda e trazer desenvolvimento”, diz trecho da nota.

Sobre a sugestão do deputado Jeferson de utilizar o excesso de arrecadação com bolsas e tarifa de energia, o Governo lembrou que atualmente atende cerca de 23 mil famílias com o programa renda cidadã e que a meta final é chegar a 50 mil lares em Roraima “com ajuda de R$200 reais”. “A expectativa é que até o final de 2021, todas as famílias sejam atendidas e existe previsão de ampliar o número de pessoas atendidas”, concluiu.